A foto foi feita numa das provas olímpicas de atletismo feminino. Muito treino, seletivas vencidas, esforços aplicados, e na hora “H” – um tombo. As corridas nem sempre terminam do jeito que prevíamos, mas os problemas fazem parte de quem está vivo. Só não perde, não chora e não cai aquele que já morreu. O ano de 2020 foi um tempo de paralisias, perdas e lágrimas. E agora? Já começamos outra volta ao redor do sol. Fazer o que se o tombo nos sonhos e planos no ano passado foi arrasador? Levantarmos e retomarmos o projeto. As oportunidades perdidas não voltam, mas cada dia, cada ano, são páginas em branco para escrevermos novas histórias ou repetirmos fracassos antigos. Não perca o passo da história. Não desista da corrida por ser difícil ou por riscos de quedas. Viver é um presente de Deus.