“… esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” – Filipenses 3:13-14

Na minha atividade de professor,aplicar as avaliações sempre foi um trabalho de rotina, mas para a maioria dos alunos era um tempo de ansiedade e tensão. Uma minoria sempre tirou de letra a realização dos testes, mas sempre existem aqueles que pensam que a resolução das questões é uma luta contra o tempo e/ou a falta de estudo.

Certa vez, eu estava à espera para que o último aluno entregasse a avaliação. Os demais já haviam saído, mas ele se agitava e dizia: “Eu preciso ainda de mais um minutinho!  Já já eu termino!”. O tempo fora o mesmo para todos, mas nem todos sabem o que fazer com o tempo que têm. A vida não é diferente. Tempo nos é dado para que construamos um projeto de vida, mas o tempo passa, e muitas vezes, ele escorre entre os nossos dedos, e o produto destes dias aparece como um monte de tempo derramado, sem resultados concretos vividos, e na velhice dizemos a Deus: “Espera um pouco, Senhor… Eu preciso de mais um tempinho…!”

A partir de domingo faltarão apenas 22 dias para o final de 2018!!!

Talvez você tenha ouvido, ou mesmo dito, que o ano já está se findando e que você não viu o tempo passar. E não foi pouca coisa, pode acreditar! Foram até aqui 343 dias transcorridos e 8232 horas que passaram por nossas vidas até esse início de Dezembro. Neste tempo muitas oportunidades e chaves estiveram em nossas mãos. Decidimos e agimos sobre tantas coisas – importantes ou fúteis – e, de repente, nos perguntamos sobre os resultados das horas vividas, do tempo aplicado sobre pessoas e circunstâncias. E a pergunta vem: O que colhemos destes dias? O que resultou destas experiências?

Onze meses e nove dias deste ano já se passaram. O tempo não espera. Precisamos buscar as oportunidades para realizarmos os sonhos e  propósitos de Deus em nossas vidas. Do contrário,veremos a vida passar sem que alcancemos as metas e alvos de Deus para esta nossa existência. As edificações, antes de existirem de fato, são traçadas nos papéis. Criar seria um ato irresponsável se não houvesse planejamento. Deus nos trouxe à vida não com um destino traçado nas estrelas, mas como um projeto tremendo a ser executado dia-a-dia, passo-a-passo, em parceria conosco.

É comum vermos o final do ano se aproximando e termos a impressão que muitas pendências que arrastamos de anos anteriores serão “empurradas” para o futuro. Viver parece um constante adiar demudanças e confrontos, dos quais Deus nos permitiu passar porque nos permitiu viver. Todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus. Tudo oque passamos, bem ou mal, são caminhos para que cheguemos ao propósito.

Cristo viveu 33 anos. Parece pouco tempo, mas não precisou mais do que três anos de ministério, e três dias num túmulo para revolucionar a história.

Eu e você ainda temos 22 dias em 2018.

Mãos à obra!                                                                                                  

Pr. Sérgio de Oliveira Campos