“Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente, e nós voamos”. Salmo 90:9

O ano de 2018 já ficou para trás. Olhemos agora para 2019.

Depois de um começo contaminado de pessimismo, que deu continuidade às crises de corrupção e desesperança, parece que a poeira se assentou sobre a nação, e as coisas voltaram a caminhar pelos trilhos de sempre. Olho para frente e me pergunto: será que conseguiremos fazer de 2019 um ano realmente “novo”, ou repetiremos as coisas de sempre no ano novo que chega?

Para uma grande massa de pessoas, o final de 2018, bem como o início de 2019, já parece repetir os anos anteriores. Nos clubes, casas e praças, comemoram a chegada do ano novo, copiando nos primeiros momentos de 2019 os mesmos velhos erros e hábitos que sempre comprometeram seus anos passados: prostituindo-se, embebedando-se, jogando flores para demônios e saudando o novo ano com os mesmos foguetes, comilanças e buzinaços. Gente bem vestida e culta se veste supersticiosamente de branco, conversa futilidades e faz simpatias para ter mais sorte e dinheiro no novo ano.

Os pessimistas dizem que não existem anos novos. Os tempos não mudam, nem os homens. Por isso esperam nova safra de corrupção e violência, mais sacrifício dos pobres, mais catástrofes naturais, etc.

Afinal de contas, quem tem razão? Vai ficar tudo como sempre foi ou alguma coisa vai acontecer nestes novos tempos? 

Há sinais proféticos de Deus no mundo. São vistos e ouvidos por milhões de pessoas a todo instante, mas a grande maioria delas não percebe nada especial nos acontecimentos. Da mesma forma que a estrela de Belém não foi vista nem entendida pela grande maioria da cidade, hoje as multidões festejam os tempos, mas não percebem os sinais proféticos que vão se cumprindo.                

As profecias falam de mudanças nos últimos dias. Elas sinalizam tempos de transição. Mas Deus nunca fez nada bruscamente. É Ele quem conduz o mundo. Todos os dias tem algo diferente na história. De tempos em tempos alguma coisa acontece. Assim foi em Belém na noite de natal. Anjos cantaram, a estrela brilhou no céu e os magos vieram do oriente. Pouco depois os anjos e a estrela desapareceram e os magos voltaram para sua terra; os diversos visitantes de Belém foram embora. Enfim, tudo pareceu voltar ao normal, ao de sempre, exceto que uma criança havia nascido em um estábulo. Só isso estava diferente. O resto continuava a mesma coisa.

Para Belém e os judeus nada aconteceu naquele dia. Para a grande maioria do mundo nada aconteceu na chegada do ano 2018. Por isso também continuarão a fazer o que sempre fizeram, ou não farão aquilo que deveriam. Assim precisa ser. Alguém se interessa que Belém fique em festa e não atenta. Em diversos lugares neste momento, alguém trama detalhes para que o mundo mude. Por isso a política, a economia, a ciência e a religião sofreram modificações profundas em tão pouco tempo. Eles sabem o que fazer. Todos os dias tem alguma novidade. Não é só na virada do ano. Enquanto eles agem, o resto do mundo apenas dorme ou contempla o “show dos fogos”.

Alguns, entretanto, são capazes de ver o mundo e enxergar tais sinais. Há muitos fatos que vão tecendo um cenário de mudanças profundas no mundo neste início de milênio. As coisas estão mesmo mudando.

Tem muita gente em festa…. Mas nem todos dormem.

Alguns estão lendo… e orando de olhos abertos!

Eles certamente verão “algo especial”.

Tomara que você seja um deles.