Façamos algumas contas e considerações: O último Censo do IBGE – de 2010 – concluiu que o número de evangélicos no país cresceu 61% em 10 anos. Havia, em 2010, 42.310.000 evangélicos no Brasil, 22,2% da população. Haveria ainda outros 50 milhões de desigrejados (que deixaram de frequentar igrejas). Considerando-se que, em cada lar, possa ter uma média de três Bíblias para cada pessoa, isso significaria, então, um montante de 170 milhões de exemplares da Bíblia, abandonadas sem nenhuma utilidade nas gavetas, empoeirando em mesas ou estantes. Algumas estão abertas na mesma folha há anos como amuleto; ou simplesmente perdidas. Se doarmos ou simplesmente jogarmos no lixo, alguém poderá achá-la, e, quem sabe, fazer bom uso dela, salvando a vida de alguém. Mas se você tiver remorso de fazer assim, temos algumas sugestões: use a estratégia de “esquecê-la” pelas ruas; nos bancos das praças ou assentos do metrô; nas mesas da lanchonete; dentro dos ônibus. Por fim, na porta de alguma igreja (no caso de você não entrar mais em nenhuma).

Não podemos calar a boca de Deus escondendo a Sua palavra dos que precisam. Existem centenas de testemunhos de pessoas que mudaram suas vidas ao encontrar por acaso uma Bíblia abandonada “propositalmente”. Há muitas coisas em nossa casa que não usamos mais, e a Bíblia pode ser uma delas. Muitas dessas Bíblias estão lá paradas, mudas, “de bocas” fechadas, e fora do propósito para o qual foi feita.

Que suas Bíblias tenho um grande “USO” em 2019. Comece por fazer um “Plano de Leitura” com ela.