UM TEMPO DE DORES

“AS MINHAS LÁGRIMAS TÊM SIDO O MEU ALIMENTO DIA E NOITE, ENQUANTO ME QUESTIONAM: O TEU DEUS, ONDE ESTÁ?” – Salmo 42:3

Os ventos perturbadores têm começado ainda antes do raiar da manhã. Várias vezes quando foge o sono, nos colocamos a orar e clamar por milagres em muitas direções. Ao acordar nesses dias tensos, já procuro no celular as notícias que possam nos trazer um pouco de calma e alívio. Áudios, textos, boletins médicos… melhoras… pioras… vem deixando-nos moídos nas emoções.

Recebi só no dia de hoje quatro vezes palavras que expressaram um sentimento semelhante: “… que dias difíceis, pastor. É andando e chorando…!”

Nesses dias de perdas e tumultos, notícias angustiantes vão molhando nossos olhos e secando nossas expectativas. Agonias por estranhos de longe no Haiti e no Afeganistão; sufoco e abatimento pelos de perto, de dentro do coração; notícias de gente partindo e gente desistindo tendem a abater nosso ânimo e coragem.

Jesus disse que nesse mundo teríamos aflições… mas seriam desse tanto? Hoje, em especial, o coração doeu um pouco mais forte pela partida de um amigo querido… mas o coração insiste em continuar batendo… por que??? Porque Deus continua nos mandando seguir em frente. As dificuldades não podem nos roubar os propósitos. Não fomos tirados por Deus do Egito para nos perdermos no deserto. Existe uma promessa. Existe uma esperança.

Para nosso alívio o Salmo 42 não se encerra no verso 3 citado acima. Ele segue em frente atravessando um tempo de lembranças amenas e felizes de tempos já vividos (verso 6), mas passando também pelo sentimento de que todas as ondas do mar se lançaram de uma vez sobre o autor em seu dia de crise. Essa é a sensação de quem não conhece o tamanho do mar e da graça de Deus. Só Jesus experimentou esse volume imenso de pesos e dores caírem sobre ele em um só golpe na cruz.

Mas ao final do Salmo 42 seu autor – que escreve sobre sua própria crise (e não de outro), respira fundo e se questiona: “POR QUE ESTÁS ABATIDA, Ó MINHA ALMA? POR QUE TE PERTURBAS DENTRO EM MIM? ESPERA EM DEUS, POIS AINDA O LOUVAREI, A ELE, MEU AUXÍLIO E DEUS MEU”.

A gente é assim… sabemos que tudo vai passar, mas nos afligimos muito até que tudo finalmente passe. Jesus, que era Deus feito homem, também entrou em agonia antes da cruz, mesmo sabendo que na madrugada de domingo deixaria para trás o túmulo definitivamente. A agonia daquela noite, em que seu suor foi sangue, não tirou dele o foco, nem o propósito. Um anjo apareceu para confortá-lo antes dessa travessia… e o Consolador, uma manifestação do próprio Deus, hoje fez moradia definitiva em nós. O consolo vem de dentro para fora.

A nuvem nos manda seguir EM FRENTE, porque o mar Vermelho não se abriria para o povo retroceder à escravidão. Canaã estava adiante. Voltar ou parar não eram os verbos que levariam o povo a conquistar a promessa da terra que manava leite e mel. “Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que creem e são salvos” (Hebreus 10:39)

Vamos seguir em frente… mesmo que andando e chorando. Ao final, como diz a última frase do Salmo 126: “voltaremos do choro com júbilo, carregando os frutos dessa jornada”.

Andando… e crendo…!!!

                                                                                     Pr. Sérgio de Oliveira Campos